REVISTA nº 175: ESPAÇO PARA CELEBRAR, PÁGINAS DE 8 A 10

https://revistadeliturgia.com.br/product/assinatura-anual-digital/

https://revistadeliturgia.com.br/product/assinatura-anual-impressa/

  1. PARA COMEÇAR O ASSUNTO

Regina Machado

Há algo errado no espaço das igrejas. Parecemos estar perdidos e inseguros, sem saber o que pode ou não pode ser feito, se isto ou aquilo é bonito, o que pode ou não pode ser usado num espaço litúrgico.

Mas parece que houve época em que as pessoas da Igreja sabiam o que fazer, o que usar, que tipo de decoração escolher, que música tocar. É ou não é?

Fico impressionada com as dúvidas que padres e bispos, agentes de pastoral, liturgos e arquitetos têm. Coisas absurdas saltam aos olhos de alguns, mas não absolutamente normais para outros. É assim que vemos padres aspergindo água benta com vassourinha de limpar vaso sanitário ou pendurando cartazes não importa onde como fazem os candidatos a cargos públicos.

Não tenho condições de dizer com certeza a razão de termos chegado a tal crise. Há uma crise estética geral é verdade, em todas as áreas, não só dentro da Igreja. Há coisas boas também, mas tem vencido a maioria brega, feia, emburrecedora.

Há flagrante falta de formação cultural do clero. E a instituição não parece preocupada com a formação artística e litúrgica.

Alguns argumentarão que isso é problema menor dentro de um quadro social e eclesial no mínimo difícil. Como se preocupar se devemos usar flor de plástico ou flor natural, se aspergimos com um galho de planta ou com vassourinha sanitária, com tanta gente passando fome, com jovens se matando e a corrupção correndo solta.

Está justo aí o problema no meu entender. Enquanto separarmos da vida, do dia a dia, o prazer dos sentidos, estaremos fadados ao fracasso nas áreas compreendidas como mais importantes da vida. Enquanto não casarmos ética e estética vamos chover no molhado.

É por isso que estamos iniciando na Revista de Liturgia este tema. Para que possamos juntos descobrir a razão da crise e para que possamos construir espaços que correspondam à espiritualidade cristã de hoje, lugares que encontrem eco no mais profundo de nosso ser, e que possam nos fazer melhores, espaços pedagógicos que construam seres humanos mais éticos, mais felizes, mais inteiros, mais justos, mais amorosos. Espaços que dão prazer aos sentidos. Espaços belos, porque só no belo o divino se revela. Espaços coerentes com seu uso e sua função. Espaços que respeitem o ser humano.

Esta coluna teremos sempre um texto com um tema a ser desenvolvido. Haverá uma quadro para um resumo do que foi dito, com os principais destaques, com dicas de coisas que nunca devem ser feitas, com sugestões e observações.

Haverá sempre uma foto ou um desenho para ilustrar o que estamos dizendo.

E o endereço da autora para que os leitores possam se comunicar e participar da coluna, darem sugestões, tirar dúvidas, fazer críticas. Todos devem se sentir à vontade para opinar, o que só vai enriquecer a coluna. E espero poder dar resposta a todos.

Por que nossas Igrejas estão tão feias?

Na introdução eu disse que a maioria das igrejas são feias, falta estética e que, pior, a maioria dos envolvidos, padres, bispos, religiosas e fiéis, não sabem onde está o problema ou como resolvê-lo.

Sinto que eles sabem que algo não está bom, se sentem incomodados com o espaço, mas não sabem por quê ou o quê fazer. Muitas vezes, a solução encontrada é ainda pior, no afã de embelezar o local, introduzem uma série de coisas, decorações, cortinas, objetos devocionais, pinturas, que atrapalham em vez de ajudar. É assim que encontramos espaços como o da igreja da fotografia. Cada novo pároco que chegava querendo melhorar e tornar mais bonito o local, foi enchendo de coisas que tornaram o ambiente carregado e muito feio.

Na foto acima, o interior da Igreja Paroquial Nossa Senhora de Loreto, vista do presbitério antes da reforma. Na foto abaixo, vista do presbitério depois da reforma.

Nesta foto de antes e depois da reforma fica claro qual foi o trabalho necessário para resolver o problema. Limpeza! De pronto ficou claro que o problema principal era o acúmulo de coisas, objetos, pinturas, imagens, cortinas, cores, mobiliário, que escondiam o essencial e prejudicavam o desempenho do ato litúrgico. Além de deixarem o fiel tão distraído que não conseguia participar nem entrar no clima da celebração.

Neste caso, as paredes baixas do fundo, que foram construídas para se criar atrás um acesso à secretaria e sacristia, foram elevadas até o teto para não parecerem paredes divisórias de banheiro de rodoviária. Tudo foi retirado e deixado apenas as peças necessárias à liturgia: mesa da eucaristia, mesa da palavra, cadeiras de presidência e acólitos, estante, a cruz de fundo e o sacrário por opção da comunidade.

Não se trata aqui de discutirmos o que é mais ou menos bonito, não se trata de gosto pessoal. Não há o que discutir. O que havia antes prejudicava a celebração e participação, escondia as peças litúrgicas principais e que simbolizam o próprio Cristo. Não havia unidade, a mistura de coisas, formas, cores, estilos criava o caos, a confusão, impossíveis de serem conciliadas com a realidade da fé e a verdade do Evangelho que ali se anuncia. Não há aqui nada de subjetivo, trata-se de conhecer as necessidades litúrgicas e pronto.

COMO NOSSAS IGREJAS PODEM SER MAIS BONITAS E FUNCIONAIS?

Todas as comunidades cristãs necessitam de um local de reunião para as celebrações litúrgicas. Às vezes esses espaços são improvisados, e, em princípio, “qualquer lugar serve”, mas não de qualquer maneira. Há objetivos a serem almejados: há princípios fundamentais a serem levados em conta. Um dos princípios ou regras fundamentais é de que o local não seja apenas funcional, mas expresse o mistério: o mistério de Deus, de Jesus Cristo, do Espírito Santo, da Igreja-comunidade, da liturgia, de nossa vida, da sociedade, do mundo, do cosmos. Este é o programa a ser cumprido.

O local a ser construído ou reformado deve estar a serviço da liturgia e da pastoral: ser pedagógico e incentivar a participação de todos; funcional e, ao mesmo tempo, expressar o mistério.

A arquitetura deve estar a serviço da liturgia e da teologia criando um local de celebração que seja sinal da nova humanidade. Que revele um outro mundo em contraponto ao mundo da competição, do mercado, da exclusão. Um mundo de fraternidade e comunhão. De solidariedade e partilha. De silêncio e recolhimento. Um lugar que ajude a comunidade a viver a comunhão e a justiça, negando as rivalidades, a indiferença, o individualismo e a exclusão.

A Igreja é o lugar privilegiado da celebração litúrgica dominical, e de outras celebrações, como o batismo, o matrimônio, a primeira eucaristia, a reconciliação, a ordenação. O lugar deve ser funcional possibilitando a realização de todos os ritos de forma prática e confortável, favorecendo e convidando todos à participação. As pessoas devem poder ver com facilidade, escutar bem, poder estar sentadas com conforto, o local deve ser iluminado adequadamente, bem ventilado, e os bancos devem ser colocados de forma circular se possível, para que uns vejam os outros e possam participar com mais facilidade.

“Para celebrar a eucaristia, o Povo de Deus se reúne na igreja ou, na falta desta, em outro lugar conveniente, digno de tão grande mistério. As igrejas e os demais lugares devem prestar-se à execução das ações sagradas e à ativa participação dos fiéis. Além disso, os edifícios sagrados e os objetos destinados ao culto sejam realmente dignos e belos, sinais e símbolo das coisas divinas” (IGMR 253).

Regina Céli de Albuquerque Machado é arquiteta e estudou teologia no Instituto Lumen Vitae de Bruxelas. Trabalha desde 1984 com pastoral e arquitetura religiosa. Estudou liturgia e durante 5 anos deu aula sobre Espaço Litúrgico nos cursos de pós graduação em liturgia da Faculdade Nossa Senhora da Assunção em São Paulo. Escreveu dois livros pelas Paulinas: O local da Celebração: Arquitetura e Liturgia e O Espaço da Celebração.

Deixe uma resposta