Regina Celi Machado

Este é o quinto artigo de uma série que vem abordando durante todo o ano de 2011 o passo a passo que antecede a construção de uma igreja. Tomamos como exemplo uma igreja que está sendo construída em Americana no interior de São Paulo. Neste artigo falaremos sobre os projetos, os custos, os contratos e o cronograma.

 Introdução

O edifício igreja é o lugar privilegiado do encontro da assembléia de fiéis na qual Deus se faz presente. Por isso, a igreja- edifício, só é Igreja de verdade quando está a serviço de uma comunidade eclesial concreta.

A igreja-edifício deve oferecer condições para que os fiéis possam exercer sua missão e, ao mesmo tempo, possibilitar sua participação ativa. O edifício pode ser construído de tal forma que não iniba, mas facilite a vivência dos valores cristãos.

A igreja é um sinal da Igreja peregrina na terra e, é também imagem visível da Igreja do céu. Ela deve expressar através da sua for- ma, suas cores, luzes e sombras, esta função simbólica e mística.

Para que o edifício seja ao mesmo tempo mistagógico e funcional, é necessário haver planejado. Tudo deve ser previsto em projetos para que possa ser, então, construído conforme o desejo e a necessidade da comunidade envolvida.

Para isso, os profissionais que projetarão a futura igreja ou reformarão uma igreja existente precisam conhecer a comunidade para a qual vão trabalhar, e ainda a liturgia e os documentos da Igreja sobre o assunto.

Preliminares aos projetos

A comunidade da Paróquia Senhor Bom Jesus, de Americana, seguiu à risca as orientações técnicas e contratou profissionais que pudessem planejar todas as etapas.

Antes do concurso para execução dos projetos a comunidade providenciou o levantamento topográfico cadastral e a sondagem do terreno, que possibilitam o desenvolvimento do projeto de arquitetura e são determinantes do tipo de fundação e estrutura que o calculista irá propor.

O programa de necessidades foi outra providência que antecedeu o projeto. Nele, a comunidade junto com o pároco e o profissional de arquitetura contratado, elaboraram o programa de necessidades onde estavam elencados todos os interesses e objetivos do cliente.

Algumas perguntas foram respondidas para que o programa pudesse ser elaborado: Quantas pessoas participarão das celebrações? Quais as atividades que a construção irá abrigar: culto, festas, cursos, reuniões, assembleias, etc.? O batismo será feito por imersão? Qual o mobiliário específico de cada espaço?

Tudo o que a comunidade deseja e sonha tem que ser dito nessa hora ao profissional, que deve entender as necessidades e os desejos apresentados e expressá-los no desenho.

Projetos

Nenhuma construção ou reforma, no espaço da igreja, pode ser feita sem a elaboração de projetos, que devem atender as necessidades da comunidade e estarem em conformidade com as normas da instituição, a legislação municipal e as normas técnicas. Todo o cuidado com o planejamento de uma obra e a contratação de profissionais habilitados e capacitados visa um melhor resultado e maior economia a médio e longo prazo. Gastos iniciais com levantamentos e projetos devem ser contabilizados como investimentos.

Cabe aos profissionais de arquitetura e engenharia, a responsabilidade técnica pelos projetos e obra. Também é de responsabilidade destes profissionais, a interpretação correta das legislações municipais, estaduais e federais pertinentes às edificações, segurança e patrimônio histórico, artístico e cultural.

Projeto de arquitetura

O Projeto de arquitetura é o primeiro a ser feito. É ele que concebe a obra e é também a sua representação final. É impossível construir ou reformar sem um projeto de arquitetura.

O arquiteto é o profissional indicado para elaborar o projeto arquitetônico no qual estão definidos todos os espaços, as ligações entre eles, os acessos, as aberturas de ventilação e de iluminação, as entradas e saídas, as alturas, os materiais a serem usados e a mística do edifício.

Um primeiro estudo foi apresentado à comissão responsável e ao pároco, que opinaram e sugeriram algumas mudanças e adequações. Em seguida, foi elaborado o projeto básico, aprovado na Prefeitura junto com o projeto para o Corpo de Bombeiros.

Após a aprovação do projeto de arquitetura, todos os demais projetos complementares foram contratados. Após a definição de todos os projetos é que o projeto executivo de arquitetura foi concluído e então feita a contratação da empresa construtora.

Projeto de fundações e cálculo estrutural

O projeto estrutural deve atender a todas as indicações do projeto arquitetônico, com ressalva a exequibilidade técnica da estrutura e a harmonia com os demais projetos complementares.

O projeto estrutural é constituído de infra- estrutura (fundações) e supraestrutura (estruturas superiores – lajes, pilares e vigas).

Em Americana, a escolha das fundações considerou a existência de uma vizinhança que deveria ser poupada de futuras avarias em suas casas e excesso de barulho durante a obra.

Projeto de instalações elétricas, hidráulicas, sanitárias, de segurança e de prevenção de incêndio

O projeto de instalações reúne todos aqueles projetos que vão permitir o funcionamento do edifício. É de fundamental importância que o arquiteto ou engenheiro, no desenvolvimento do seu projeto, procure facilitar as instalações com o uso de paredes hidráulicas por exemplo.

Toda a fiação e todas as tubulações devem ser passadas necessariamente durante a obra para que não seja preciso quebrar paredes e furar estruturas futuramente. Daí, a necessidade de que todos os projetos estejam compatibilizados e prontos quando se inicia a obra.

Projeto acústico e de conforto térmico

A comunidade de Americana não só executou os projetos obrigatórios, mas foi além, para poder se precaver de qualquer surpresa posterior. A acústica é sempre um grande problema para as igrejas, o que pode ser evitado se previsto em projeto. Caso contrário, pode se tornar um problema insolúvel. Também o desconforto térmico que obriga as igrejas a distribuírem ventiladores, pode ser previsto e evitado em projeto.

Para conseguir o conforto térmico no ambiente, recomenda-se recorrer sempre aos recursos naturais (sombreamentos com vegetação adequada, circulação natural do ar) que possibilitam grande economia de energia elétrica e conforto adequado a cada região.

Para o conforto acústico não só a forma espacial é importante como, em muitos casos, alguns revestimentos especiais são imprescindíveis. Em Americana algumas paredes serão revestidas de material absorvente para que, mesmo sem o uso de sistema de som, a verberação ocorra em todo o espaço celebrativo.

Projeto de impermeabilização

Outro problema recorrente nas igrejas são as infiltrações, que como tantas outras coisas, se não tratada desde o início da construção e prevista em projeto, pode ser de difícil e onerosa solução no futuro.

Na igreja do Senhor Bom Jesus o projeto de impermeabilização previu o tratamento adequado de toda a área de jardim, áreas molhadas, lajes, fontes e as áreas que deverão ser lavadas.

Projeto paisagístico

A área livre para jardim na igreja de Americana, tem grande importância pastoral. Ali a comunidade fará os encontros sociais, as festas, as manifestações culturais, procissões e via sacra. A catequese também poderá usar este espaço livre de área de lazer.

O Projeto Paisagístico é um projeto complementar ao de arquitetura. Nele estão previstos estacionamentos, passagens, equipamentos de lazer, muros, grades, grutas e toda a vegetação. Aqui, cada planta escolhida também faz parte do projeto iconográfico, como a falsa vinha que marca o ciclo da vida perdendo todas as folhas no inverno, ou fi- cando com as folhas vermelhas no outono e exuberantemente verdes no verão. Oliveiras estarão ladeando o oratório de Nossa Senhora. Nas esquinas do terreno serão plantados dois flamboyants que estavam no terreno há muitos anos atrás e que estão saudosamente na memória dos fiéis.

Ainda neste jardim que ocupa todo o terreno, haverá uma fonte que brota logo abaixo do altar, no pavimento superior. Esta água corre por um canal no jardim e deságua em outra fonte que também serve para o batismo.

Doze pilares, que sustentam a igreja, fazem parte do jardim e neles estarão impressos os nomes dos doze apóstolos.

Projeto de mobiliário

Todo o mobiliário litúrgico foi desenvolvido para a igreja de Americana em conjunto com a arquitetura, formando uma unidade de desenho e materiais. Do altar ao quadro de avisos, das toalhas às vestes, tudo foi previsto e projetado para evitar improvisos posteriores.

O mobiliário foi desenvolvido para ser funcional, de fácil conservação para expressar a nobreza do espaço. Os bancos serão fixos e a base feita de aço para que não sofra corrosão. O mobiliário litúrgico será em pedra e as peças como castiçais, cruzes de consagração, cruz procissional serão em aço inox fosco.

Projeto iconográfico

A decoração e a ornamentação do espaço celebrativo não é um recurso isolado do projeto arquitetônico e da liturgia. Pinturas, vitrais, mosaicos, mobiliário, toalhas, arranjos florais, tudo foi considerado no projeto iconográfico. Projetado para salientar a liturgia e a participação dos fiéis, em unidade com a arquitetura e não para “enfeitar” ou “decorar” o espaço.

Projeto de áudio e vídeo

Aqui também um profissional especialista foi consultado e o projeto elaborado previu um bom sistema de som e áudio que satisfaça a necessidade de comunicação dentro da igreja. Áudio e telão serão instalados no jardim para que as celebrações possam ser acompanhadas quando a capacidade da igreja for excedida. Também áudio e som para missa campal estão previstos em frente à igreja com altar colocado no patamar largo da escadaria.

Projeto de luminotecnia

Este projeto, complementa o de elétrica que distribui quadros e pontos e calcula a carga. Este estuda qual a luz necessária para cada ambiente, como valorizar espaços e peças especiais e como dar dramaticidade a alguns locais ou ocasiões.

Cronograma de projetos e obra

O cronograma é uma representação gráfica de previsão da execução do trabalho. Indica o prazo em que serão executadas as diversas fases do trabalho e qual o custo de cada uma. Um cronograma de projetos foi elaborado e permitiu que a comunidade soubesse quanto teria que desembolsar e em quanto tempo. Nesta igreja específica o cronograma previu oito meses para o desenvolvimento de todos os projetos.

O cronograma de obras, que foi elaborado depois de todos os projetos concluídos, prevê as diversas fases de obra. Por exemplo: Pre- paração do terreno, fundação, estrutura, lajes paredes, cobertura, instalações elétricas, instalações hidráulicas e sanitárias, esquadrias, pisos, acabamentos.

Assim, pode-se saber quanto será gasto, mês a mês, até o fim da obra e quanto tempo levará para cada etapa ser executada.

O cronograma é feito por quem vai executar a obra junto com o cliente que sabe de quanto pode dispor. Neste caso, o cliente contratou separadamente fundação de estrutura, paredes e instalações e, por fim, os acabamentos. Assim, pode levantar verba para cada fase e cumprir os compromissos assumidos com o construtor.

Custos

O cálculo de custos para projetos e obra depende de uma série de fatores e varia de região para região.

Os índices de custos de construção  civil  são divulgados em sites como o do Sinduscom – o sindicato da construção civil – com índices diferentes para cada região do país. Esses custos só se referem à obra civil, ali não estão computados os custos de mobiliário, equipamentos, obras de arte ou acabamentos sofisticados.

Pela experiência podemos dizer que o metro quadrado de uma construção está por volta de R$ 1.000,00.

Para os projetos também é possível conseguir tabelas junto ao CREA – o Conselho Regional de Arquitetura e Engenharia – e as previsões de custo variam entre 6% a 12% do valor da obra.

Assim, podemos fazer uma previsão de custo para uma igreja que tenha 800 m2 de área a ser construída, da ordem de R$ 800.000,00 e, custo de projetos entre R$ 48.000,00 a R$ 96.000,00.

Conclusão

Tudo que falamos aqui pode ser resumido na palavra planejamento. Planejar é o caminho mais curto para conseguirmos atingir objetivos com o mínimo de problemas e com o máximo de economia tanto financeira quanto de tempo e desgaste emocional.

No caso de uma construção ou reforma de igreja, que envolve toda uma comunidade e recursos, mais atenção ainda deve se ter no planejar e prever tudo, calculado e divulgado. Quantas vezes vimos  casos de obras mal feitas que são, em seguida, demolidas. Ou obras  que  custaram  caro e não funcionam. A única forma de evitar surpresas desagradáveis é fazendo um bom planejamento.

E ainda assim acontecerão imprevistos porque estamos lidando com uma série de condicionantes vivas. Em Americana, foram feitos 12 contratos de projetos: arquitetura, estrutura, hidráulica e elétrica, aprovação prefeitura e bombeiros, impermeabilização, paisagismo, acústica, iluminação, áudio e vídeo, iconografia, mobiliário, gerenciamento de projetos. Foram vários profissionais trabalhando juntos e ao mesmo tempo, onde o projeto de um tinha interfaces com o projeto do outro. Se um profissional não cumprisse seu próprio prazo, atrapalhava o prazo do outro. Sendo assim o cronograma previsto de 8 meses de projeto acabou se estendendo para 12 meses.

Também com a obra outros imprevistos certamente virão. No caso de Americana, que neste momento está na fase de levantamento da estrutura, a falta de mão de obra qualificada no mercado aquecido da construção civil certamente vai atrasar a previsão de entrega da obra.

Os imprevistos sempre existirão, o que é mais um motivo para se cercar de planejamento, profissionais qualificados, participação da comunidade e mecanismos de prestação de contas, tudo para que haja o mínimo de contratempos.

Regina Céli Machado.
Arquiteta. www.arquitetura- religiosa.arq.br

Regina Céli Machado é arquiteta sacra e escreve na Revista de Liturgia.

Fonte do Artigo:
MACHADO, Regina. O passo a passo na construção de uma igreja V, Piedade popular e liturgia. São Paulo, 227, p. 18 a 21, Set/Out 2011.

Compre esta Revista de Liturgia. Clique aqui.

Revista de Liturgia Ed 227 – Piedade Popular e Liturgia

Deixe uma resposta